quinta-feira, 26 de março de 2009

DOC "SAÚDE DO PROFESSOR" - PRA VOCÊ SABER O "GIZ" DA QUESTÃO...

Na próxima terça-feira, dia 31, a TV Escola, o Canal do Ministério da Educação (MEC), vai celebrar o início do ano com a segunda transmissão do documentário "SAÚDE DO PROFESSOR". Com locações nas cidades de Cuiabá e Primavera do Leste (MT), Natal (RN), Mogi Mirim (SP) e Rio de Janeiro (RJ), o documentário - dirigido por Nelson Hoineff e produzido por essa que vos escreve :D - retrata diversos problemas relacionados à saúde do professor (depressão, distúrbios advindos do estresse, disfunções vocais, dores de coluna, alergias, problemas circulatórios, entre outros), apresenta suas causas e indica soluções. O filme, com 35 minutos, foi uma parceria em 2008 entre a TV Escola e a produtora carioca, Comunicação Alternativa-COMALT, do diretor de cinema e TV Nelson Hoineff e foi exibido pela primeira vez no dia 15 de outubro do ano passado, no lançamento da nova grade da TV Escola, em comemoração ao Dia do Mestre. "Por morarmos no país da corrupção, é normal e nosso dever mostrar aquilo de errado que acontece por aí. No entanto, com esse documentário a gente viu de perto como tantas boas ações são realizadas por pequenas prefeituras, ou outros programas - em relação à Educação, ao professor. Que essas ações fiquem como exemplos para muitos valorizarem os professores da forma que eles merecem. Sabemos o poder que a televisão tem e, obviamente, a TV poder falar de Educação é mais do que necessário", ressalta Nelson Hoineff. A COMALT também produziu uma versão em libras para as pessoas com deficiência auditiva. A partir de abril, a COMALT terá um número limitado para a distribuição do documentário. Os interessados de todo Brasil, ou instituições que desejam receber "Saúde do Professor" podem entrar em contato pelos e-mails: paloma.piragibe@comalt.com e daniel.maia@comalt.com. A TV Escola é transmitida por parabólica analógica e digital (canal 112 da Sky e 237 DirecTV). EXIBIÇÃO: Terça-feira, dia 31/03 - 10h e 14h.
video

11 comentários:

  1. opa, valeu a dica, se possível vou estar ligado..muito bom mesmo..

    ResponderExcluir
  2. putz, professor sofre, já passei por isso.
    graças a deus eu só me meto a ser professora se for pra dar palestra ou participar de algum projeto social.

    passa no meu tb!
    bjao
    =*

    ResponderExcluir
  3. Valeu a dica ^^
    Professor é uma das profissões mais sofridas dos dias de hoje, sem dúvidas, e está sendo cada vez mais desvalorizada. Não estamos valorizando os formadores de todas as outras profissões. Um absurdo.
    Se der vou assistir sim.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Excelente dica! Esse eu quero assistir, embora já sinta todos e mais alguns efeitos na saúde causados pelo ofício.

    Convido-a para a leitura de um texto em meu humilde blog, chamado "Professores, escolas e tempos modernos".

    abs!

    ResponderExcluir
  5. professores são heróis =D


    http://tudo-comentado.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Anônimo26.3.09

    Muito bom...e só poderia ter a colaboração da jornalista e produtora Paloma Piragibe!!!

    Tudo que faz ...faz bem feito...faz com dedicação e amor!!! te adorooooooooooooooo

    bjs Polly

    ResponderExcluir
  7. Parabéns,
    um belo trabalho de utiliade pública.
    Raro em blogs...

    beijos.

    ResponderExcluir
  8. Poxa Paloma, merece um up pro Youtube ou Vimeo.
    Coloca lá e de este prazer a todos.

    :)

    http://martonolympio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Gosto de boas dicas, anotando aqui pra assistir,
    gostei mto do blog.
    =D

    ResponderExcluir
  10. Será uma das minhas prioridades assistí-lo, já que aborda uma questão tão interessante e que, muitas vezes, passa despercebida no dia-a-dia.
    Ser professor é uma tarefa difícil já que os salários são ruins, há péssimas condições de trabalho e há a falta de educação, na maioria das vezes, de alunos e pais - que não cooperam lado a lado com a escola.
    Parabéns pela importantíssima participação no documentário, querida Palas!

    ResponderExcluir
  11. As Sete Saúdes do Professor

    “...O verão há de virMas virá só para os pacientesQue aguardam num grande silêncio corajosoComo se diante deles estivesse a eternidade...”Rainer Maria RilkePara o Poeta Paulo Benedicto Pinheiro(In Memoriam)


    O professor, mais do que ninguém, a cada ano letivo, incorpora a sua nova e preciosa cota de recursos humanos, cada vez mais fragilizados pelas múltiplas falências (Deus, família, sociedade, consumo). Mesmo ganhando muito menos do que deveria (tem de ser inteligente para passar num concurso público difícil e algo bobo para aceitar o que o estado neoliberal paga), praticamente vive dançando no fio da navalha do seu encargo e entorno sociocultural com carências múltiplas também (escola pública camuflada em seu proposital sucateamento; classe média falida pelas resultantes do último amoral e inumano plano econômico). Por isso, tem de estar cada vez mais afinado com as chamadas Sete Saúdes. Como profissional de alto gabarito que sempre precisa ser e mostrar que é — afinal, todo mundo teve um maravilhoso professor na vida — e, sem dúvida alguma, como ser humano desta safra contemporânea, mas, acima de tudo, com respeito profissional próprio, o professor tem de estar antenado, se reciclando sempre, e ainda cuidar do corpo para a mente estar com amplitude ativa e a aula ser gostosa dentro do processo de ensino–aprendizagem, já que quem sairá ganhando será a clientela escolar carente, sempre fito precípuo da educação como um todo.

    01. Saúde Físico-mentalO professor tem de andar rotineiramente e com prazer; fazer exercícios orientados e caminhadas sadias; relaxar da correria rotineira, cotidiana; viajar sempre que possível; passear aproveitando a caminhada; talvez fazer ioga; procurar alimentar-se bem e dormir tranqüilo; fazer terapias, se preciso for, para segurar o árduo batente do trabalho pesado em duas ou mais escolas, tentando sobreviver e permanecer ético para sonhar com um humanismo de resultados, sob o enfoque de uma visão plural-comunitária que lhe deve ser inerente, peculiar.

    02. Saúde FamiliarO professor tem de ter um estabelecimento residencial muito além de um simples endereço residencial com número ou código de área, uma casa gostosa para chamar de sua, um pacífico lar, doce lar, pois o hábitat de um ser humano é quase a sua pele vivencial mesmo. Procurando morar razoavelmente bem, em espaço tranqüilo, o professor terá o seu refúgio para cismar e pensar com a devida serenidade para, assim, sempre no aconchego do lar, repor as energias em seu espaço todo próprio para ser referencial.

    03. Saúde FinanceiraO professor tem de saber gastar, poupar, economizar, pesquisar preços, sacar abusos midiáticos na área consumista, evitar gastos desnecessários, mas, ainda assim, ter a consciência de que o ofício é uma espécie de missão. Procurar, na medida do possível, fazer o que gosta nesse campo de trabalho, pois, na verdade, nunca vai ganhar bem como deveria e precisa. Então, não pode entrar nessa de consumo desenfreado, apesar de precisar ter uma vida minimamente digna, que o exemplifique como a importante figura histórico-social que tem sido desde os primórdios dos pedagogos da Grécia antiga.
    04. Saúde SocialO professor é um ser social (Kant), como é também um animal político (Sócrates). Portanto, deve saber mais do que ninguém cultivar amigos de qualidade — que são ótimos seres humanos, principalmente —, freqüentar um clube para espairecer, ter um convívio sociofamiliar de qualidade, ser participativo socialmente, falando também fora da sala de aula e da unidade escolar, comprar causas pela paz e convivência harmoniosa e bancar mudanças ético-humanitárias, como o ser cidadão que é, com uma visão de justiça que o qualifique e represente bem.

    05. Saúde IntelectualO professor pensa, logo, é docente, logo, existe e, por esse afazer, multiplica a informação, reproduz a ciência, pesquisa a dúvida, domina a técnica salutar, é politizado porque vota bem e certo, precisa ler jornal todo dia, ler ótimos livros — a melhor pedagogia é o exemplo —, fazer cursos o tempo todo, ficar atualizado e atuante, ir ao cinema, curtir novidades, ouvir uma boa música que o nutra, montar exposições de afazeres peculiares, assistir a palestras de novas metodologias e técnicas instrumentais para a docência contemporânea, demonstrar que é um profissional acima da média e que, por isso, pode exigir muito no seu foro de debate representativo, com boa dialética e conhecimento da causa que abraçou com méritos e perspectivas.

    06. Saúde EspiritualSim, o homem tem razão, mas tem alma; logo, é um ente espiritual. Imagine-se então um professor, que é educador, mestre, referencial de qualquer meio. Precisa cuidar da alma, não necessariamente só pelo viés de uma igreja — “ama a teu próximo como a ti mesmo”, diz a filosofia dos evangelhos —, mas ter a consciência tranqüila e a fé em Deus, a sensação do dever cumprido, de ter dado o melhor de si, de ter feito o seu melhor, de ter sabido lidar com os seus alunos com tantas seqüelas sociofamiliares, de não precisar ser cobrado para ser completo e idôneo, fazer ações comunitárias, fundar ONGs que pensem em responsabilidades cidadãs entre riquezas injustas, lucros impunes, propriedades, roubos; afinal, como dizia Saint-Exupéry, o essencial, que às vezes é invisível aos olhos, se vê bem com o coração...


    07. Saúde ProfissionalE, por fim, o professor tem de estar afinado com a cultura, as artes em geral e, principalmente, com as áreas de sua matéria-conteúdo. Estar sempre alerta e reflexivo, estudar sempre — como em qualquer profissão —, buscando se especializar em múltiplas didáticas; programar aulas variadas, gostosas — o aluno tem direito a isso; trocar idéias com colegas de mister, sendo representativo de seu meio, com uma releitura toda própria das “aprendências” e dos letramentos, como instrumentos de evolução, como profissionais de carreira que querem deixar sua marca, deixar seu lastro, fazer o melhor sempre. Afinal, alunos são mensagens de amor que mandamos para o futuro, e somos partes essenciais do verbo “ensinar-aprendendo”.Professor, caia na real. Respire, não pire. Relaxe, não ache (chega de “achismos”). Medite, não dite. Abrace, não force. Você é o mais importante átomo do todo que é o Universo. Se aceitou essa obrigação, não se desgaste nem brigue, obrigue-se. Odeie o ódio. Refaça o fácil. Não reclame, ame. Faça de sua vida uma tábua de esmeraldas. Afinal, somos todos anchietas nessa seara de formadores de opinião, de questionadores de políticas ímprobas do poder público, mas devemos também dar os nossos exemplos de vida e sermos fiéis aos nossos sábios propósitos, com amor e com saúde, muito além de uma solidão incendiária, mas sempre como grãos de mostarda dentro do coração dos alunos, que são templos de nossa sagração existencial de vida humana.O sucesso de todo grande profissional realizado é porque teve um ótimo professor lado a lado...

    Saúde, professor!

    -0-

    Silas Correa Leite – Itararé-SP – Teórico da Educação, Jornalista Comunitário, Coordenador de Pesquisas em Culturas Juvenis pela FAPESP-USP, Conselheiro em Direitos Humanos (SP), Prêmio Ligia Fagundes Telles Para Professor Escritor, autor de Campo de Trigo Com Corvos, Contos, Finalista do Prêmio Telecom, Portugal, livro à venda no site www.livrariacultura.com.br – Bleogue: www.portas-lapsos.zip.net
    (Um dos dez mais do UOL em 2008) – Site: www.itarare.com.br/silas.htm
    E-mail para contatos: poesilas@terra.com.br

    ResponderExcluir

PP

Formada em Comunicação Social pela PUC-Rio. Jornalista e produtora audiovisual (e qualquer quebra-galho haha), foi repórter do "Jornal dos Sports", nas editorias de Educação, Cultura & Oportunidades, Saúde, Mais Esportes, e especiais de Futebol, entre 02 e 04. Em televisão, produziu e dirigiu o Programa Pessoa Portadora de Deficiência em Debate (TV Alerj), com Georgette Vidor - quando atuou como sua Assessora de Imprensa, durante nove meses. Passou na seleção do programa Estagiar da "TV Globo" - 04/2005 - para a produção de reportagem da Editoria Rio. Produziu reportagens para os jornais RJTV - primeira e segunda edição, Bom Dia Rio e colaborou com a produção de reportagem do Jornal Nacional, Bom Dia Brasil, Jornal Hoje e Jornal da Globo. Produziu também o Globo Cidade. Foi colaboradora da produção de reportagem do Fantástico, onde buscava personagens e pautas. Produziu o Documentário "Saúde do Professor" para a TV Escola - MEC, 2008. Também dirigiu e produziu o documentário "Hácesso" (34 minutos), com o apoio do cineasta Silvio Tendler, que foca o dia-a-dia de quatro pessoas com diferentes tipos de deficiência (superação, sexualidade, trabalho foram uns dos temas focados). Trabalhou durante dois anos na produtora audiovisual Comunicação Alternativa-Comalt onde produziu o longa-metragem "Alô, Alô, Terezinha", filme sobre Chacrinha, de Nelson Hoineff e outros produtos audiovisuais (TV, Cinema e Celular). Em 2009, passou novamente por um perído de reportagem do Fantástico, na Rede Globo. Em setembro de 2009, recebeu o convite do humorista Tom Cavalcante para Roteirista/ Participar da equipe do "Show do Tom", da Rede Record onde ficou até o fim do programa - dezembro de 2011. Em abril de 2012, recebeu o convite para integrar a equipe, como produtora de Reportagem, do novo programa da jornalista-apresentadora Fátima Bernardes, na Rede Globo.


Muitas ideias na cabeça e vontade...





Já colaborou com a comunicação da ONG CVI-Rio direcionada às pessoas com deficiência. Fez muitos bicos de assessorias de imprensa e eventos com escritores do Rio de Janeiro. Mas o primeiro trampo foi como animadora infantil - animou cerca de 300 "parabéns" - com as equipes "Tio Rodrigo"; "Rá, Tim, Bum" e por conta própria... E como aprendeu nessas festas. :)




Jornalismo como Missão. Humor para a Vida...



Buscar a verdade. Responsabilidade Social, muita "responsa"... Trabalhar em Equipe é fundamental para um sucesso de qualquer produto. Ajude quem estiver ao seu lado, independente da atitude do outro. Seja Grato e Gentil. Ética, Persistência (muita persistência), humildade e acreditar em si mesmo também são essenciais. Criatividade (opine), Ousadia e bom-senso. Faça Acontecer. Seu trabalho tem que ser uma diversão pra você. Fique ligado na Tecnologia. Não se "surpreenda" com alguma atitude negativa do seu próximo, apenas tente fazer a diferença naquilo que acredita, naquilo que faz. Não se "surpreenda" se toda sua força e desempenho incomodar - respire forte e continue trabalhando. Você vai "surpreender". A gente colhe o que planta e o mundo dá voltas, muitas voltas...

Sempre Estude muito sua área e um pouquinho das outras. Alguma atividade que ajude às pessoas, mesma que uma hora e outra. Esteja "perto de verdade", curta ao máximo aqueles que gosta, por menor que seja o tempo. É preciso se divertir fora do trabalho para este render mais e mais... E geralmente, as melhores idéias, pautas não acontecem em assembléias, mas nessas horas de lazer. Aprendizado?!?! Eternamente - até o último suspiro... Uffaaaaaaaaaaaaaa! Vamo que vamo...